Skip to content

RECESSO DO TERREIRO

9 de junho de 2014

INFORMAMOS

QUE POR MOTIVOS DE FORÇA MAIOR O

TERREIRO ESTARÁ

EM RECESSO POR TEMPO INDETERMINADO.

 

 

O que eu não gosto no outro, uma ferramenta para evoluir.

26 de maio de 2014

por Isha

Muitas vezes as pessoas compartilham comigo comentários ou queixas do que não gostam em seus ex, atuais companheiros, mães, pais, filhos, sogra, ou o presidente. Percebem muitos defeitos. Às vezes me perguntam se isto que estão vendo no outro também está neles e a resposta é sim, porque se o incomoda é porque está em você. Então, cada aspecto que você não gosta no OUTRO e que lhe produz rejeição, intolerância, negação, você pode utilizar e se abrir para ver isto mesmo em você.

Como sempre digo, aponte este dedo que julga o externo para você e se você ainda não vê, mantenha a intenção de que em algum momento vai vê-lo, sentí-lo e fazer “click”! Na realidade se não nos apropriamos, nem fazemos cargo do que sentimos e se sempre estamos colocando e projetando fora, não vamos amadurecer, não vamos sair do lugar de vítimas.

Você tem que ir para dentro em seu sentir e encontrar aí isto que percebe que está mal fora, essa superioridade em que você se coloca é que o leva a julgar como mal e projetar a rejeição ou o NÃO permanentemente. Comece a se apropriar disto, desprendendo-se dos seus julgamentos. Não quer dizer que você vai ficar com esta pessoa, não quer dizer que tenha que conviver com esta pessoa, mas é necessário curar o julgamento, porque aquilo que você rejeita está em você, é um reflexo magnífico neste espelho à sua frente, está em seu interior, mas está sendo ignorado. Fazer isto é curar a si mesmo.

Se você está me perguntando isto, se está lendo ou escutando isto, indica que está pronto para um passo a mais no crescimento em responsabilidade. Claro que você pode ver aspectos no outro, pode fazer observações, mas sem julgamentos, porque se existir alguma carga e se isto transformar a outra pessoa em menos, então, isto está dentro de você.
Onde quer que tenha uma carga no seu sentimento pode ter certeza que isto está em você, já não é mais uma observação, mas uma projeção. Então, mova tudo o que você sente com isto e somente vai ficar o amor. Senão você vai criar o seu ex ou sua mãe ou quem quer que seja em todos os lugares!

Todos buscamos o amor incondicional, mas na realidade, temos medo e preferimos apontar no externo aquelas coisas que não gostamos e que nos fazem sentir mal. Escolhemos relações cheias de manipulações e frustrações, porque temos a ideia de que podemos ser abandonados. Falamos para nós mesmos: “Oh, não vou amar muito porque me lembro de uma vez em que me feriram”. E recordamos todas as frustrações de nossa infância. Para mim era meu medo do abandono que vinha, porque eu acreditava que minha mãe natural havia me abandonado. Eu sempre estava escapando do amor, pensava que não merecia.

E estes sulcos de separação que criamos para poder ter uma experiência humana nos fazem buscar o amor fora e isto sempre é frustrante. Achamos que não merecemos amor. Pensamos que não podemos confiar nele, que temos que nos proteger dele, porque nos faz sentir vulneráveis. Sempre estamos nos protegendo.

Mas o amor real -o amor incondicional- está dentro, encontra-se no ser, em simplesmente estar com nós mesmos. E esta é uma das coisas mais difíceis de fazermos para nós mesmos, porque nosso intelecto nos diz que nosso amor e nossa satisfação está fora.

O amor verdadeiro simplesmente dá e faz isto sem expectativa, carece de ressentimento. Não tem um preço, não controla. Mas tem que vir do ser. Você tem que brindar este amor a si mesmo antes de poder brindar aos outros. Não importa o quanto seja agradável como pessoa, é impossível que você ame alguém incondicionalmente enquanto não amar a si mesmo incondicionalmente.

Eu era uma “pessoa boa e espiritual” e me abandonava em tudo tentando amar o resto do mundo, mas a mim mesma eu não amava. Então,comecei a curar e vi o que havia feito comigo mesma e chorei. Realmente fiquei chocada com o tanto que eu havia me machucado, como havia sido boa com todos e o muito que havia ferido a mim mesma.

E todos temos a tendência de fazer isto, especialmente as mulheres, apesar dos homens fazerem também. E a única coisa que necessitamos é poder ver isto e sermos amorosos. O amor condicionado nunca poderá estar a altura do amor que habita permanentemente no seu coração. Volte a seu coração, instale-se neste amor e deixe que este amor verdadeiro se mova para fora sem medo, em seu fluir natural: DAR.

Fonte : http://somostodosum.ig.com.br/clube/c.asp?id=39239

O foco na gratidão…

16 de outubro de 2013

:: Rubia A. Dantés ::

A vida nos apresenta surpresas boas ou não… mas, poucas vezes agimos para aproveitar todas as oportunidades que nos chegam com os acontecimentos, especialmente com os ditos ruins, que surgem de forma inesperada…

Quase sempre nossa primeira reação é não aceitar aquilo, principalmente se julgamos que é injusto passar por algo que não merecemos…

Lembrando que ninguém colhe o que não plantou, julgar qualquer coisa que nos acontece como injusta, vem do nosso ego, que só enxerga o problema como um fato isolado sem colocá-lo dentro de um contexto mais amplo, como algo que está além da compreensão dos nosso cinco sentidos… e que, de uma forma ou de outra somos responsáveis pela criação daquele problema na nossa realidade…

Então, é muito importante assumir que somos 100% responsáveis por tudo que atraímos… entendendo que, mesmo que não esteja ao alcance da nossa compreensão consciente, faz parte do que viemos para liberar e aprender nessa nossa jornada aqui na Terra…

Se não aceitamos o que já aconteceu, estamos resistindo a todo o Universo que agiu para que aquilo se manifestasse em nossas vidas, daquela forma… e resistir só faz com que as energias naturais de resolução não possam agir ali… criamos um cabo de guerra com o Universo e, com certeza, com essa atitude seremos perdedores.

Depois da não aceitação e resistência costumam vir as lamentações e reclamações… Essa parte é bem ruim porque sempre nos coloca na posição de vítimas indefesas… e resistir e nos colocarmos como vítimas, não resolve nada, pelo contrário… só cria mais e mais da mesma situação.

Entendo que o Universo manifesta aquilo em que colocamos nosso foco… se estamos reclamando de algo que não queremos em nossa vida, a cada reclamação colocamos nosso foco aí… e é mais disso que vamos atrair. Portanto, diante de qualquer situação que consideremos ruim, sempre devemos evitar o foco excessivo no problema e, uma coisa que nos ajuda nesse ponto é colocar nosso foco na gratidão…

Tendo a compreensão de que em tudo existe sempre uma oportunidade de aprendizado, vamos buscar motivos para sermos gratos, mesmo nas situações onde aparentemente não existam esses motivos. Se nos distanciarmos um pouco e olhar tudo sob a perspectiva de um plano maior… a partir do contexto da evolução da nossa Alma… encontraremos muitos motivos para agradecer por qualquer coisa em nossas vidas…

O ego só vê o problema, que fica cada vez maior, alimentado pelos pensamentos destrutivos e pelas reclamações… A Alma percebe aquilo como uma oportunidade de evolução… como algo que viemos aqui para aprender com… e não como algo que estamos passando para sermos punidos.

Com essa visão sobre o problema, fica mais fácil entregar o controle a uma força maior… e esperar que as coisas se resolvam de uma forma mais natural, sem tanta interferência dos nosso medos e memórias de experiências passadas, que sempre fazem com que tudo pareça pior do que realmente é…

Colocar nosso foco na gratidão opera verdadeiros milagres e nos afasta um pouco do controle do ego, abrindo as portas para que possamos agir guiados por Inspiração Divina.

http://somostodosum.ig.com.br/conteudo/c.asp?id=13282

Homenagem a Cosme e Damião

27 de setembro de 2013

LIVRE ARBÍTRIO EM OPERAÇÃO

2 de setembro de 2013
 
Por Jennifer Farley
1º de setembro de 2013
 Quando outra pessoa faz você se “sentir mal”, o que isto está dizendo?
Que você está se autorizando a interiorizar o que ela está pensando e sentindo.
Como sempre, o livre arbítrio está em operação aqui.
Se você permanecer na sua verdade e for honesto consigo mesmo, você pode dispensar ou aceitar o comportamento… cabe totalmente a você.
Criador
Tradução: Blog SINTESE http://blogsintese.blogspot.com

Escolhas

30 de agosto de 2013

ESCOLHAS, ESCOLHAS

Por Jennifer Farley
29 de agosto de 2013
De todas as coisas que passam pela sua consciência, negativas e positivas: em que você irá se focalizar?
Na voz interior que reverbera com amor por si e pelos outros ou na voz exterior que tenta mudar a direção de seu caminho?
A decisão sempre foi e sempre continuará sua.
Criador

Tradução: Blog SINTESE http://blogsintese.blogspot.com

Quando pensamos, mentalizamos.

27 de agosto de 2013

Quando pensamos, mentalizamos

por Silvia Holmes – silviaol@ig.com.br

Nossa vida é o resultado de tudo aquilo que projetamos em nossa mente, seja consciente ou inconsciente. A PNL (Programação Neurolinguística) se ocupa dos resultados que obtemos, a fim de atingir a nossa excelência humana. Assim, se estamos obtendo o resultado esperado, devemos nos parabenizar por isso. Entretanto, quando não obtemos o resultado almejado, nos frustramos e começamos a gerar um estado de desânimo interior em nós mesmos. E como podemos fazer para começar a mudar esse padrão?

Quando pensamos, mentalizamos. Ao mentalizarmos, o foco de nossa atenção está direcionado para algum “lugar”. Sabemos que o foco de atenção de um sujeito é diferente do de outro. Por exemplo: enquanto uma pessoa vê oportunidades num momento de crise, outra pessoa pode desistir de tudo achando que para ela tudo dá errado, faça o que ela fizer. O Prof. Masaharu Taniguchi afirma que: “Todas as pessoas agem e vivem de acordo com os pensamentos ou ideias que formam na mente”. Assim, devemos começar analisando o nosso diálogo interno, descobrir aonde estamos direcionando o foco de nossa atenção e treiná-lo. Eis aqui o começo do projeto de nossas vidas!

A esse respeito, nosso Luiz Sérgio elucida: “Não repitam a expressão: sou frágil, sou impotente diante das provações. As ideias que se remoem ou que repetidamente se verbalizam tendem a se fixar e cristalizar em nossas mentes”. Segundo a Seicho-no-ie, a lei mental determina que: “manifesta-se aquilo que se pensa”.

A energia flui para onde a atenção está direcionada, isto é, toda a nossa energia física, mental e espiritual é direcionada para o mesmo lugar aonde estamos dirigindo o nosso pensamento. O Prof. Masaharu Taniguchi ensina: “A força se perde quando é dividida. A força da nossa mente também se torna ineficaz quando a manifestamos dispersivamente. Torna-se necessária, então, a concentração mental e para conseguirmos isso, devemos treinar a nossa mente”. Vale lembrar que a mente está em movimento constante, permanecendo sempre ocupada. Ocupar a mente é o mesmo que direcionar a mente. Quem dá a direção inicial à mente é o foco de nossa atenção, assim, de acordo com o foco de atenção a mente será programada.

Para programarmos nossas mentes de modo consciente, sugerimos algumas perguntas:

Como você ocupa a sua mente?

Quem direciona sua mente?

Onde você foca sua atenção?

Por quanto tempo?

Novas perguntas pressupõem novos significados, portanto, ao se fazer essas perguntas, procure perceber-se. Quais são as emoções que emergem? Dialogue com suas emoções e procure olhar o lado positivo de cada uma delas. Quando o significado muda, as reações emocionais mudam e, consequentemente, os comportamentos mudam, posto que reagimos de acordo com os significados que designamos para cada estímulo ou ação que nos acontece. Definitivamente, escolher um significado adequado, que nos seja útil está no poder de nossa iniciativa e controle. Podemos escolher um significado para nossa vida, ou para os fatos que nos acontecem, pois temos livre-arbítrio. Se não escolhermos conscientemente, outra pessoa o fará por nós, inconscientemente. Dessa maneira, podemos acabar aceitando significados vindos de outra pessoa e que está longe da nossa essência, gerando em nós, uma insatisfação que sequer conseguimos identificar de onde vem. Segundo o espírito de Luiz Sérgio: “Ninguém é induzido a praticar um ato se não possui tendências para isso. Ninguém faz aquilo que não quer fazer. Todos nós somos responsáveis pelos atos que praticamos. Não podemos jogar a culpa deles sobre ninguém. A Lei é justa”.

Somos espíritos livres em evolução, portanto, temos a liberdade de escolher no que vamos nos transformar!

Terminamos com a motivação do nosso amigo espiritual Luiz Sérgio: “Quem se encontre descontente com os rumos que sua vida está a tomar, que se decida a assumir novas responsabilidades, para que novos horizontes se descortinem à sua frente. O começo é difícil como todo começo, mas o bem consequente do crescimento interior é abençoado”.

Fonte:
Aulas do Prof. Miguel Carcavilla (in memoriam)
Intercâmbio – psicografia de Alayde de Assunção Silva – espírito de Luiz Sérgio
3. 365 Itens para alcançar o ideal – volume 1 – Masaharu Taniguchi
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 35 outros seguidores